Marcelo Maia

Nasceu em Salvador em 1982. Criado no bairro da Saúde, centro de Salvador, teve os primeiros contatos com a música com os blocos afros e os instrumentos de percussão. Aos 13 anos aprendeu os primeiros acordes no violão identificando-se com este instrumento. Posteriormente passou a estudar violão em um conservatório de Salvador e aos 20 anos começou os estudos acadêmicos de Licenciatura em música na Universidade Federal da Bahia. Musicalmente dedica-se ao canto, composição e interpretação da música popular brasileira. Viveu na Espanha por 6 anos e lá tocou em grupos de Samba-reggae como Tropico de Grelos, Grupo Afro Rua, Grupo Afro Band, além de projetos de música popular brasileira ao violão e voz, acompanhado de outros instrumentistas por bares, pubs, discotecas e festivais. Fez apresentações em diversas cidades como Salvador, Curitiba, Juazeiro, Santiago de Compostela, La Coruña, Pontevedra, Ourense Madrid, Córdoba, Granada, Monachil, Dublin, Dalkey e Paris.  Atualmente vive em Salvador, onde é vocalista e violonista do grupo Apuama, além de ser professor de Filosofia.

 

Alê Palma 

 

Começou sua trajetória profissional como professor de música na escola curitibana Music House, onde também realizou audições de seus alunos em teatros locais. Posteriormente conheceu o flamenco ao escutar um cd de antologia à obra de Paco de Lucia, o que despertou a paixão e o interesse pelo estudo da arte. Em seguida iniciou seus estudos do flamenco com o “bailaor” (dançarino) Luis Marinho e conforme aprimorava seus conhecimentos também teve classes com outros violonistas do gênero como Jony Gonçalves e Flavio Rodrigues. Na  Espanha entre 2013 e 2014 teve a oportunidade de ter classes e profundas convivências com renomados violonistas como  Manuel Parrilla, Juan Habichuela Nieto, Jose Cortes El Pirata, Ruben Campos, Jorge El Pisao, entre outros. O período vivenciado no exterior foi marcado por atuações em inúmeros espetáculos, festivais e clubes de jazz em diversas cidades de todas regiões espanholas, onde a música brasileira e música flamenca foram apresentadas para o grande público com profundo sentimento e virtuosidade. Atualmente atua como violonista de flamenco em grupos de flamenco e com o Grupo Apuama.

 

Léo Jesus

 

Iniciou seus estudos em música popular no ano de 1990, aos oito anos de idade no bloco carnavalesco Verde e Rosa, situado no bairro da Saúde centro histórico de Salvador. O músico percussionista traz em sua formação o instituto Eletrocooperativa, Escola de música da Universidade Federal da Bahia e Núcleo Moderno de Música. Atuou como músico e arte educador em instituições a exemplo da Fundação da criança e adolescente da Bahia, Quintaci, Centro Projeto Axé, Caps Nzinga e Companhia do Sesc. Com mais de dez anos de experiência em música focada para dança brasileira, o músico trabalhou com diversos coreógrafos ao exemplo de: Joaquim Lino, Lia Robatto, Mestre King, Vera Passos, Clyde Morgan, Rosangela Silvestre, Deni Neves, Zebrinha e Nildinha Fonseca. Participa do cenário musical com artistas e bandas a exemplo de: Mariella Santiago, A Tapa Orquestra de Pandeiros, Quarteto Afro Jazz do maestro Bira Marques, Clécia Queiroz, Juliana Ribeiro, Márcia Short, Grupo Apuama, entre outros. Atualmente o músico compõe trilhas musicais para dança, teatro e cinema além de ministrar aulas de percussão. Estuda licenciatura em música na Universidade Católica de Salvador.

 

 

 

 

Marcelo Fonseca

 

É músico, instrumentista, compositor e arranjador. Mineiro de nascença e baiano de coração, iniciou sua vida musical aos 6 anos de idade - influência do pai, também violinista. Começou a formação musical na Fundação de Educação Artística em Minas Gerais, aos onze anos e, aos 14 integrava a Orquestra Sinfônica Jovem do Palácio das Artes também em Minas. Participou ainda da Orquestra de Câmara Carlos Alberto Pinto Fonseca (ICAPF) e de Festivais reconhecidos no estado de nascença, como o Festival Nacional da canção de Boa Esperança, o Festival da canção de Visconde do Rio Branco e o Festival de música de Itambacuri. Apesar de ter se formado na música clássica, segue revolucionando a história do instrumento, trazendo-o para as graças da música popular, onde desenvolve um estilo próprio, rabecando, regado e regido pela desenvoltura da cultura nordestina. Atuou como professor de música em escolas e ONG’s, na cidade de Lagoa Santa, região metropolitana de Belo Horizonte, desenvolvendo projetos de musicalização de maneira lúdica e divertida. Como instrumentista foi ganhador do concurso Jovem instrumentista BDMG 2014, teve aulas de improvisação, harmonia e composição com o músico Rafael Martini. Além disso atuou em Minas Gerais na banda Himba Trio, projeto que reunia apresentações de músicas covers e autorais. Na Bahia, é músico da banda de Raymundo Sodré, tendo participação na gravação e produção de seu novo disco, “Girassóis de Van Gogh”, que tomou proporções nacionais sendo apresentado no programa “Sr.Brasil “ de Rolando Bondrin. Além de Sodré, participa de shows com outros grandes nomes da música da Bahia como Xangai, Roberto Mendes, Bule Bule entre outros. Gravou também com outros músicos renomados de Salvador como, Pururu mão no couro no projeto “ Feijão Balanço “, além do Grupo Apuama. Atua também na banda de Val Macambira , como músico-instrumentista e arranjador.

 

Zé Livera

 

Zé Livera é multi-instrumentista, compositor, poeta e educador musical. Itabunense, licenciado em Música pela Universidade Federal da Bahia, vem atuando como músico e educador na cidade de Salvador desde 2008. Como educador, é professor da Escola Casa da Infância, e atuou em diversas escolas rede pública municipal através de programas como Mais Educação e o PIBID, da UFBA, além dos grupos de musicalização infantil como Canela Fina e Ciranda.  Também atua como professor de cavaquinho, violão e baixo elétrico. Como músico, já acompanhou as cantoras Stella Maris, Sueli Sodré e Marília Sodré; acompanhou também os cantores Carlos Barros (com quem lançou um disco), Tuzé de Abreu e os grupos Zé de Tonha, Pirombeira, Retro_Visor e Corrupio - do qual foi um dos fundadores. Atualmente, como instrumentista integra os grupos Une Versos (um coletivo que mistura música e poesia),  Curiatã, Muriquins e Grupo Apuama além de atuar como educador em escolas e projetos, ministrando aulas e oficinas de música para crianças e adultos.